livraria on-line

bibliographias

bibliographias@gmail.com / 934476529

.

.

30 de maio de 2017

Eça de Queirós ― Crónicas de Londres

Crónicas de Londres por Eça de Queirós. Prefácio de Eduardo Pinto da Cunha

Lisboa: Editorial Aviz, 1944. In-8º de XXXVIII, [II], 266, 6 págs. Br.

Primeira edição em volume, coligindo as crónicas escritas por Eça a partir de Inglaterra – mais de Newcastle, propriamente, do que de Londres – entre 1877 e 1878 para o jornal «Actualidade». Publicada no âmbito das comemorações do 1º Centenário do nascimento do escritor, inclui uma nota dos editores a explicar a sua oportunidade e o longo (e algo entediante) prefácio de Pinto da Cunha. O conjunto das crónicas é um panorâmico mosaico da vida inglesa do último quarto de oitocentos – na linha dos que já Garrett e, mais tarde e de passagem, Oliveira Martins escreveram também – mas, além disso, dá conta dos principais acontecimentos que à época se sucediam no mundo inteiro, pelo que constitui ainda um documento de interesse histórico (decerto até sobre o literário).

Exemplar em muito bom estado, sem qualquer defeito de importância; só vincos ligeiros no encaixe e algum leve escurecimento marginal das folhas, natural dado o tipo de papel usado na impressão.
 
20€ 

29 de maio de 2017

Eça de Queirós ― Cartas

Cartas de Eça de Queiroz

1945. Editorial Aviz. In-8º gr. de XV, [I], 374, [2] págs. Br.

Primeira edição, dada a lume por ocasião das comemorações do centenário do nascimento do escritor. Com uma nota introdutória dos editores em que se defende a continuação da Correspondencia – repetida e erradamente assinalada com a data de 1928 (o livro é de 1925) – pela publicação deste conjunto de mais de 100 cartas “que encerra grande parte da sua correspondência dispersa em livros, publicações periódicas e arquivos particulares”. Entre os muitos destinatários salientam-se, em número e como seria de esperar, Ramalho e Oliveira Martins, além de outros habituais correspondentes como Luís de Magalhães, Alberto de Oliveira, João Penha, Mariano Pina, Silva Gaio e os condes de Sabugosa, Arnoso e Ficalho; incluindo-se ainda epístolas a Columbano, Rodrigues de Freitas, Teófilo Braga, Silva Pinto, etc.

Exemplar em muito bom estado, apenas com leve desgaste da capa (vestígios de acidez e, na lombada, ligeiros vincos).
 
20€

27 de maio de 2017

Eça de Queirós ― Cartas a Genelioux e Lugan

Cartas de Eça de Queiroz aos seus editores Genelioux e Lugan (1887 a 1894)//apresentadas por Marcello Caetano

Edições Panorama. Lisboa. 1961. In-8º gr. de 81, [3] págs. Br.

A edição, impressa em bom papel couché, foi inteiramente preparada e organizada por Marcelo Caetano, que, além das considerações iniciais e da conclusão, fez acompanhar de notas e comentários seus cada uma das cartas reproduzidas – de uma série de 24 enviadas por Eça, incluídas num conjunto de missivas a Genelioux e a Lugan (os sucessores de Chardron) escritas por autores vários que fora oferecido, em França, a Jorge Felner da Costa. São ainda reproduzidos excertos de alguma correspondência do romancista com sua mulher Emília, Ramalho Ortigão, Oliveira Martins, Silva Gaio, etc.; de sugestões e interpretações críticas de autores diversos (Lopes de Oliveira e Gaspar Simões à cabeça); e o fac-simile de várias cartas e do frontispício de certas edições dos seus livros nelas referidas.

Exemplar em muito bom estado, tirando um ligeiro vinco na capa (e nas folhas iniciais e finais) e uma mínima assinatura de propriedade na primeira página de texto.
 
17€

25 de maio de 2017

Eça de Queirós ― A Emigração como Força Civilizadora

A Emigração como Força Civilizadora (Prefácio de Raul Rego)

p&r, perspectivas & realidades (1979). In-8º de 149, [3] págs. Br.

Este Relatório sobre a Emigração que hoje publicamos constitui obra inteiramente desconhecida até dos queirozianistas mais informados. (...) Porque não se publicaram até agora os relatórios de Eça de Queiroz como cônsul, tanto na Havana como em New Castle, em Bristol ou em Paris? Embora o que deles conhecemos nos dê o interesse profundo que Eça de Queiroz tomou na defesa dos emigrantes e o conhecimento que conseguiu do fenómeno social e económico da emigração, parece-nos que bom seria desenterrar dos arquivos do Ministério dos Negócios Estrangeiros quanto se lá contém para que não seja apenas o romancista grande a ser apreciado mas também o homem que não fica indiferente à sorte dos seus semelhantes. (...) O relatório que hoje publicamos tem a sua história, simples aliás. Talvez só tenha estado horas no Ministério dos Negócios Estrangeiros e de lá passaria a casa do ministro que, para o estudar, o teria levado consigo. O facto é que na família de Andrade Corvo, segundo cremos, se conservou até há pouco tempo. Adquirimo-lo num leilão do livreiro-antiquário e nosso amigo Arnaldo Henriques de Oliveira.” (Do prefácio).

Exemplar da série corrente, em brochura; por estrear, sem qualquer defeito significativo.
 
12€    

Eça de Queirós ― A Emigração como Força Civilizadora

A Emigração como Força Civilizadora (Prefácio de Raul Rego)

p&r, perspectivas & realidades (1979). In-8º de 149, [3] págs. Enc.

Exemplar n.º 185 da série especial de 200 em papel moulin creme encadernada pelo editor em tela e rubricada pelo próprio Raul Rego; por estrear - condição irrepreensível.

24€ 

24 de maio de 2017

Eça de Queirós ― A Tragédia da Rua das Flores

Lisboa, Moraes-Editores, 1980. In-4º de 468, IV págs. Br.

Primeira edição do romance de Eça que mais tempo permaneceu inédito, com um amplo trabalho de fixação do texto a cargo de João Medina e de Campos Matos. João Medina assina também o longo prefácio – estende-se até à pág.41 – em que, para além da sinopse do livro, da sua «história» e da exegese crítica, se explicam precisamente as opções tomadas na reprodução do texto manuscrito.

Exemplar da série especial encadernada em tela e numerada (tendo-lhe cabido o nº405) pelo editor.
 
35€

23 de maio de 2017

Eça de Queirós ― Cartas Inéditas

Cartas Inéditas (Introdução, comentários e notas de Beatriz Berrini)

Lisboa, Edições «O Jornal». 1987. In-4º de 71, [1] págs. Br.

Primeira edição de um conjunto epistolar integrado no espólio de Jaime Batalha Reis que a Biblioteca Nacional adquirira pouco antes. Inclui vinte cartas enviadas pelo escritor ao próprio Batalha Reis desde a mocidade (no que estará porventura o principal interesse da edição, não sendo muitas as missivas conhecidas dessa época) até perto da sua morte (a última é de Setembro de 1899); e, em apêndice, outras de Ramalho ao mesmo Batalha Reis e, sobretudo, deste a Eça. Capa ilustrada na frente pelo retrato do romancista com a mulher, Emília, e atrás pela reprodução aumentada da sua caligrafia.

Exemplar por estrear, em condição praticamente impecável – descontando uma pequeníssima marca de esboroamento na capa.
 
7€

20 de maio de 2017

Episódios da Vida Romântica

Antes que me esqueça: annuncia, peço-te, a apparição dos Maias, que se devem pôr á venda a 15 ou 20. Lugan & Genelioux nem habilidade têm, na lançagem d'um livro, para fazer imprimir annuncios! É necessario que esses annuncios eu proprio os pedinche! Estes industriaes portuguezes!... Eu vou-lhes escrever para que te remettam um dos primeiros exemplares brochados. E se fôr a tempo, podes transcrever um pedaço no Reporter. Os Maias sahiram uma coisa extensa e sobrecarregada, em dois grossos volumes!  Mas ha episodios bastante toleraveis. Folheia-os por que os dois tomos são volumosos de mais para lêr. Recommendo-te as cem primeiras paginas; certa ida a Cintra; as corridas; o desafio; a scena no jornal A Tarde; e, sobretudo, o sarau litterario. Basta lêr isso, e já não é pouco. Indico-te, para não andares a procurar através d'aquelle immenso maço de prosa.
 
[Eça de Queirós, carta a Oliveira Martins - Bristol, 12 de Junho de 1888]  

17 de maio de 2017

Oliveira Martins ― Os Filhos de D. João I

Lisboa: Imprensa Nacional, M DCCC XCI. In-4º de VII, [I], 471, [3] págs. Enc.

“É minha idéa que a arte de escrever historia está atravessando um periodo de transformação. Reagindo contra as theorias abstractas dos racionalistas antigos, os escriptores do nosso tempo, absorvidos pelo cuidado indispensavel da veracidade crítica, esqueceram os modelos eternamente classicos. A historia ha de sempre ser uma resurreição; e o processo artistico ou synthetico ser-lhe-ha sempre o adequado. As analyses eruditas e as controversias críticas, bem como as theses doutrinarias dos systematicos, serão tambem sempre materiaes indispensaveis do artista; mas nunca poderão crear obras que tanto agradem ao sabio como ao ignorante, deliciando e educando quem quer que tenha ouvidos para ouvir, olhos para ver e coração para sentir”, palavras preliminares e proclamatórias do autor a este trabalho, que dividiu nos seguintes capítulos: «A côrte e o conselho»; «Ceuta»; «A villa do Infante»; «As viagens do Infante D. Pedro»; «Um estadista do XV seculo»; «O «Leal Conselheiro»»; «As Ordenações e os judeus»; «Tanger»; «Os tratos da Guiné»; «O regente»; «Alfarrobeira»; «A descendencia do condemnado». O final do volume apresenta ainda em apêndice a reprodução de uma série de documentos de época.

Primeira e formosíssima edição, impressa a duas cores, ela sim altamente artística, com capitais e belas vinhetas desenhadas decorando o livro.

Exemplar da tiragem encadernada pela Parceria A. M. Pereira com largos cantos e lombada em pele e pastas em percalina, ornamentalmente gravada a ouro no encaixe e na frente, tendo também sido dourado à cabeça o corte das folhas; e conservando por inteiro a capa de brochura.

80€

16 de maio de 2017

Oliveira Martins ― A Vida de Nun'Alvares

A Vida de Nun’Alvares (Historia do estabelecimento da dynastia de Aviz / Desenhos de Casanova)

Lisboa: Livraria de Antonio Maria Pereira – editor (50, 52 – Rua Augusta – 52, 54). MDCCCXCIII. In-4º de 469, [3] págs. Enc.

Edição original deste segundo trabalho de fôlego consagrado aos primórdios da dinastia de Avis, que consta dos capítulos «O prior do Hospital», «O fim da dynastia», «O Messias de Lisboa», «A guerra», «O throno de Aviz», «Aljubarrota», «Valverde», «Os inglezes», «A sociedade nova», «O Santo Condestavel», «Fr. Nuno de Santa-Maria»; aos quais se seguem, em apêndice, «Chronologia», »Bibliographia» e «A canonisação do Condestavel».

Exemplar da série encadernada pelo editor: encadernação em estilo amador, com larga lombada e cantos em pele e pastas revestidas a tela, tudo gravado a ouro. A pele dos cantos inferiores está porém corroída (no de trás, demasiado), e a da face inferior em geral apresenta pequenas marcas de sujidade - o que o desvaloriza um quanto.

50€

Oliveira Martins ― A Vida de Nun'Alvares

A Vida de Nun’Alvares (Historia do estabelecimento da dynastia de Aviz / Desenhos de Casanova / 2.ª edição)
Lisboa: Parceria Antonio Maria Pereira – livraria-editora (Rua Augusta, 50, 52 e 54) ― MDCCCCII. In-4º de 469, [5] págs. Enc.

Exemplar da mesma série encadernada pelo editor (que, neste caso, fez conservar por inteiro a capa de brochura); padecendo da mesma (mas aqui mais grave) marca de corrosão da pele nos cantos, a aconselhar pequeno restauro.

25€

15 de maio de 2017

Oliveira Martins ― O principe perfeito

O principe perfeito (Precedido De uma introducção ácerca do complemento e plano geral da obra por Henrique de Barros Gomes) / 3.ª edição

1923 – Parceria Antonio Maria Pereira, livraria editora (Rua Augusta – 44 a 54), Lisboa. In-4º de 297, [3] págs. Enc.
 
 Exemplar da série encadernada pelo editor com largos cantos e lombada em pele e as pastas em tela, tendo ornamentais gravações a ouro na frente e sobre o encaixe; sendo o corte das folhas carminado à cabeça e conservando por inteiro a capa de brochura. Em bom estado global, apresenta porém dois defeitos significativos: ligeiras marcas de corrosão na pele e um pequeno furo de traça ao longo de todo o volume, encadernação incluída. 

20€

Oliveira Martins ― O principe perfeito

O principe perfeito (Precedido De uma introducção ácerca do complemento e plano geral da obra por Henrique de Barros Gomes)

Lisboa: Livraria de Antonio Maria Pereira - editor (50, 52 - Rua Augusta - 52, 54) / 1896. In-4º de VI, 268, XXV, [I] págs. Br.

Seria este o primeiro de uma série de três estudos históricos consagrados a D. João II, Afonso de Albuquerque e D. Sebastião – mas a morte por doença de Oliveira Martins apenas lhe permitiu terminar o primeiro capítulo, «Toro», sendo as outras duas centenas de páginas ocupadas pela tentativa de exegese do amigo Barros Gomes a partir do plano geral que o autor já esboçara e das impressões que com ele trocara em Setúbal e em Lisboa; começando logo por louvar “O pensador pujante, que possuia faculdades de abstracção tão raras em homens da nossa raça, que, primeiro entre nós, avistára, rasgando-os mais tarde para a nação inteira, horisontes novos, os quaes n’ella deviam modificar as concepções philosophicas, os principios do direito publico e da economia nacional em que assentára a sua historia durante mais de meio seculo; o historiador que, recorrendo a processos menos severamente scientificos, é certo, com faculdades fundamentalmente diversas das de Herculano, veio talvez em mais alto grau do que este, popularisar entre nós a historia patria, engrandecendo-a de facto (...)”.  
 
Exemplar da série em brochura, conforme saiu dos prelos.

40€ (indisponível)

12 de maio de 2017

Oliveira Martins ― História de Portugal

História de Portugal, por (...) / 12.ª edição / Com a publicação de algumas cartas recebidas pelo autor quando do aparecimento da obra

1942 / Parceria António Maria Pereira, Livraria Editora (Rua Augusta, 44 a 54) – Lisboa. 2 tomos in-8º de 332 e 348 págs. Enc.

São sete as cartas referidas, apresentadas em apêndice final: quatro de Camilo Castelo Branco (como sempre, interessantes, e com reparos quanto a matérias propriamente históricas e bibliográficas), uma de Bulhão Pato (elogiando de modo encomiástico este livro, mas censurando o trato desrespeitador que nele via ao adorado Herculano – a cuja memória, de “Mestre e Amigo”, foi porém dedicado), outra de Sousa Monteiro e outra de Lobo de Moura. Transcreva-se o início da primeira de Camilo: “Conclui a leitura da História de Portugal, e venho agradecer-lhe estas 20 horas boas que me deu. O seu livro há-de causar estranhesa pela novidade do processo; tem um destaque de escola que V. Ex.ª inicia entre nós, um modo de ver para o interior das coisas que violentará os míopes a aumentarem o grau dos vidros. Uns hão-de aprender, outros beliscados nas suas convicções históricas adquiridas com o Doria e o Mota Veiga, dirão que V. Exª é um visionário”.
Ambos os tomos revestidos de encadernação relativamente modesta com lombada (gravada a dourado) e cantos em percalina; que conserva por inteiro as capas originais.

20€

10 de maio de 2017

Oliveira Martins ― Historia da Republica Romana

Lisboa: Livraria de Antonio Maria Pereira, Editor. [S/d]. 2 tomos in-8º de XXXVII, [I], 454, [2] e [4], 472, [2], 11, [3] págs. Enc.

Por estranho que pareça, é até hoje a única história de Roma minimamente monumental ensaiada por historiador português, e o mais que temos – apesar da tipicamente deficiente cientificidade, também tipicamente compensada pelo fantasioso, ambicioso e largo de vistas poder de síntese do autor – para responder aos empreendimentos de um Mommsen, por exemplo (que O.M. leu e cita). O estudo foi com bom critério dividido nas grandes secções «A cidade romana», «Unificação da Italia», «As guerras punicas», «Conquista do mundo», «Socialismo e capitalismo» (postas assim as coisas, soam um tanto forçadas, mas reportam-se obviamente ao período das reformas sociais) , «Os tyrannos» e «O Cesarismo».
Primeira edição.

Exemplares da série em brochura que se crê mais rara e propriamente a  princeps, depois bem encadernados com cantos e lombadas em pele, estas últimas copiosamente gravadas a ouro; mantendo ambas as faces da capa original.

55€

Oliveira Martins ― Historia da Republica Romana

Lisboa: Livraria de Antonio Maria Pereira – Editor. (1897). 2 tomos in-8º de XXXVII, [I], 454, [2] e [4], 472, [2], 11, [3] págs. Enc.

Exemplares da série encadernada pelo editor em percalina gravada a ouro e a seco, com a efígie do autor na pasta frontal, para integrar a conhecida colecção «Obras de Oliveira Martins»; e que apenas diverge da anterior pelas folha de anterrosto e rosto, com o tipo ligeiramente diferente, um travessão no lugar da vírgula na linha de descrição da editora e referência à data de publicação. A percalina apresenta-se já um tanto corroída nas lombadas.
 
30€

8 de maio de 2017

Oliveira Martins ― Correspondencia

Correspondencia de J. P. Oliveira Martins ― prefaciada e anotada por Francisco d’Assis Oliveira Martins (Acompanhada dum autógrafo inédito de El-Rei D. Carlos)

1926 – Parceria Antonio Maria Pereira, Livraria (Rua Augusta, 44 a 54) Lisboa. In-8º de 290 págs. Enc.

Destacam-se em quantidade neste útil repositório as missivas enviadas a Eça e a Luís de Magalhães; havendo várias também a Bulhão Pato, Juan de Valera, António Cândido, Henrique Barros Gomes, Magalhães Lima, Ramalho, Anselmo Braancamp, José Luciano de Castro, Menendez Pelayo e Martins Sarmento; e esparsas a Camilo, a Carolina Michaelis, a Emídio Navarro, ao editor António Maria Pereira, ao rei D. Carlos, etc. Lacunas principais, reconhecia-as o próprio organizador, as que Oliveira Martins expedira ao dilecto amigo Antero e ao mestre Herculano.
Edição primitiva. 

Exemplar da série com encadernação editorial em percalina gravada a dourado na lombada e em ambas as pastas, apresentando a da frente um retrato colado em cliché do ministro no seu gabinete; que conserva ambas as faces da semelhante capa de brochura. Quer a pasta inferior, quer o referido cliché têm já discretas manchas e escoriações. De resto, sem defeitos significativos a assinalar.
 
20€

5 de maio de 2017

«Portugal Contemporaneo - Oliveira Martins»


Afora a literatura propriamente dita, Portugal não tem hoje senão um só escritor realmente superior: é Oliveira Martins, autor da Bibliotheca das Sciencias sociaes. Definir o seu género e classificá-lo numa palavra parece-me coisa quase impossível, pela simples razão de que essa palavra não existe ainda: socialista tem um sentido ao mesmo tempo estreito e vago; sociologista seria um barbarismo.
(...) Oliveira Martins, apesar de ainda jovem, merece, pela profundidade das suas investigações, pela originalidade e pela amplitude das suas vistas e pela firmeza do seu método, ser considerado entre os mestres e promotores destes novos estudos. Além disso, o seu estilo, pelas suas qualidades de vigor, de vida e de elevação, ainda que com demasiada frequência incorrecto e desdourado às vezes pelo mau gosto, faz do autor da
Bibliotheca das Sciencias um escritor de primeira ordem.
 
[Antero de Quental, in Revue Universelle et Internationale, 1884)

2 de maio de 2017

Neto de peixe

Não sei se já terão ouvido falar de André do Quental - o avô de Antero. Dado às musas, foi amigo de Bocage, e com ele preso pelo Intendente Pina Manique, que, não sabendo a qual dos dois atribuir a autoria de uns versos anti-clericais q.b., não esteve com meias medidas e mandou encarcerar ambos; mesmo assim, nenhum abriu a boca. Oficial do exército liberal, viveu em grande prostração durante a contra-revolução miguelista, só arrebitando depois de outorgada a Carta. Nunca aceitou publicar os próprios poemas, e terá até mandado um dos filhos queimá-los - só nisso se distinguindo significativamente do neto, de quem parece precursor na sensibilidade, nos nervos e no próprio estro.
Está (quase) tudo nos genes.

29 de abril de 2017

Antero de Quental ― Sonetos Completos

Os Sonetos Completos de Anthero de Quental (publicados por J. P. Oliveira Martins) / Segunda edição, augmentada com um appendice contendo traducções em allemão, francez, italiano e hespanhol.

Porto: Livraria Portuense de Lopes & C.ª – Editores (119, Rua do Almada, 123) – 1890. In-8º de 184, VI, [II] págs. Enc.
 
As versões estrangeiras – por, entre outros, Storck e Curros Enriquez – ocupam as seis dezenas de páginas finais. De resto, aproveita-se aqui a edição inaugural (da mão de Oliveira Martins, nesta mesma casa: seguindo-se à primitiva, preparada por Alberto Teles, e à que dez anos antes organizara Joaquim de Araújo), reimpressa “em edição menos luxuosa”, como se lê na «Advertencia dos Editores», e de maior tiragem; incluindo o longo texto introdutório do próprio Oliveira Martins, provavelmente o melhor retrato jamais feito de Antero (de quem era, como se sabe, amigo próximo). Foi, se não erro, esta a última edição dos sonetos publicada ainda em vida do poeta, que se suicidaria no ano sucessivo.

Exemplar reforçado por muito boa encadernação mais recente, ao estilo amador, com os cantos e a larga lombada em pele, esta sobre-revestida de dois rótulos de diferente cor demarcados a ouro, sendo também a ouro gravados os florões de tipo romântico. Conserva ambas as faces da capa de brochura. Carminado à cabeça e igualmente aparado nas restantes margens.  
 
35€

28 de abril de 2017

Antero de Quental ― Poèmes et Sonnets

(Un grand poète portugais du XIXe siècle) Poèmes et Sonnets d’Anthero de Quental (traduits en vers français et précédés d’une notice biographique et littéraire)

Librairie Garnier Frères, Paris. [S/d – 1911?]. In-8º de 137, [5] págs. Enc.
 
Foi este o primeiro livro publicado em França do poeta português, com traduções de «Os Captivos», «Entre as Sombras» e «A Fada Negra» a antecederem as dos sonetos. É muito extensa a secção preliminar em que Virgile Rossel, o tradutor, começava por justificar a edição para os países de língua francesa (dizendo que um poeta como o de Beatrice neles deveria ter direitos de cidadania), preparada em colaboração com Alberto de Oliveira, após a alemã de Storck e a inglesa de Prestage; e passava depois às citadas notícias bio-bibliográfica e literária, a primeira baseada na longa e importante carta autobiográfica (aqui inteiramente reproduzida) enviada por Antero a Storck, que lha pedira para a sua tradução dos Sonetos, e a segunda nos apontamentos de Oliveira Martins.


Exemplar envolto numa boa encadernação recente, de estilo amador, com a lombada em pele trabalhada a ouro e as pastas em marmoreado fantasia. Conserva por todo a capa de brochura e tem aposta sobre a folha de guarda a indicação manuscrita de “oferta dos editores”.
 
38€ (indisponível)

27 de abril de 2017

Antero de Quental ― Esparsos e Traducções

Porto: Companhia Portugueza Editora, 1918. In-8º de 96 págs. Br.
 
São aqui os «Esparsos» as composições em quadra «Os Captivos», «Os Vencidos», «Entre Sombras», «Hymno da Manhã» e «A Fada Negra»; ocupando a parte maior do volume a série de traduções (de alguns dos «Sonetos», sobretudo) feitas por tradutores vários – Storck e Curros Enriquez à cabeça.

Exemplar em brochura, sem defeitos de relevo.
 
20€

26 de abril de 2017

Antero de Quental ― Odes Modernas

Odes Modernas – Terceira Edição (contendo varias composições ineditas)

Porto: Livraria Chardron, de Lello & Irmão, editores – 1898. In-8º de 190, [2] págs. Enc.

A edição, significativamente aumentada em relação às anteriores, apresenta no final uma folha com alguns títulos em destaque do catálogo da editora portuense.

Exemplar recoberto de boa encadernação com cantos e lombada em pele, a qual infelizmente padece de alguma descoloração decerto devida a exposição à luz solar. Conserva por inteiro a capa primitiva.
 
25€

25 de abril de 2017

Antero de Quental ― Odes Modernas

Odes Modernas / edição organizada, prefaciada e anotada por António Sergio

Propriedade e Edição de Couto Martins. 1952. Lisboa. In-8º gr. de 207, [1]. Br.

O prefácio de Sérgio estende-se até à pág.33, tratando sobretudo da influência de correntes e autores vários no pensamento político de Antero e transcrevendo excertos de cartas suas a Storck, Canizzarro e Manuel Sardenha.

Exemplar em bom estado, descontando só alguma acidez na capa e uma pequena assinatura de propriedade (nas primeiras páginas do prefácio e do texto).
 
20€

24 de abril de 2017

Antero de Quental ― Zara

1943. Propriedade e Edição de Couto Martins. Rua da Prata, 178-2.º Lisboa. In-4º de 78, [2] págs. Br.

Edição publicada em fac-simile da original, de 1894. O livro, organizado por Joaquim de Araújo a título de homenagem póstuma a Antero, inclui um prefácio em que dizia aquele ser esta a “mais formosa Antologia de versões que uma poesia portuguesa tem conquistado”, explicando a dívida de gratidão contraída desde quando o poeta compusera, a seu pedido, os versos que seriam a inscrição tumular da irmã, a Zara aludida; e integra as traduções, quase todas para o efeito, de, entre outros (e num total de dezenas), Wilhelm Storck, Alfredo Testoni, Joseph Bénoliel, Curros Enriques e Edgar Prestage.

Exemplar nº39 da tiragem especial de 100, com o carimbo e a assinatura do editor.

30€